SEÇÃO 31 Intercom #34 – Nazis in SPAAACE!!!

S31_INTERCOM_34_Nazis_in_SPAAACE

Alien Nazi-Angriff!

Herr Fernando Torelly (Reguladores), Fräulein Roberta Manaa e Herr Waldomiro discutem as ocasiões em que aliens nazistas do espaço sideral dão o ar da graça em Star Trek!

O Terceiro Reich alienígena corrompe o espaço em histórias normalmente absurdas, e estamos aqui para eleger o melhor e o pior episódio da franquia com essa temática. Venha conosco tentar entender as motivações duvidosas de um certo historiador federado, participar de perigosas simulações da Segunda Guerra no holodeck, e acompanhar Hitler em sua visita aos EUA no meio de Nova York!

Mesmo tendo que aguentar o Spock falando da eficiência do nazismo na nossa orelha e ter que acreditar que ninguém assumiu o poder na Rússia depois que Lenin foi assassinado em 1916, ainda assim arrumamos motivação suficiente para discorrermos sobre a popularidade que o Führer e o nazismo desfrutam até hoje na cultura pop!

Tempo de duração: 107 min

S31_Bannner_Canecas_site

COMENTADO NESSE PODCAST:

Os filmes:

 

S31_Bannner_Camisetas_site

Tasha_Genevieve_meme


ADICIONE O NOSSO FEED

E-MAILS: Críticas, sugestões e afins para contato@secao31.com




COMPARTILHE!
  • Tartaruhga Muhtante

    É um tema bem controverso. Sempre quis saber a opinião , tanto de Shatner quanto de Nimoy, sendo ambos judeus, como se sentiram usando uniformes nazistas. O nazismo é realmente como definiram, são o império do mundo real, ainda bem que Hitler não era um sith.

  • Tartaruhga Muhtante

    Agora, achei curioso identificarem Cardassia com a Alemanha nazista, sempre os achei mais a cara da união soviética e a ordem Obsidiana como uma imitação da KGB.

  • SAREK

    Creio que no imaginário da ficção científica o nazismo tornou-se uma maneira direta e fácil de endereçar o que há de pior no ser humano e o que pode ser a pior configuração política e social de nossos coletivos.

    Lamento apenas a banalização do tema na maioria das abordagens, mesmo em Jornada. Geralmente tratam o nazismo como uma mera associação de homens brutais vestidos de preto e com fetiche para a tortura e uniformes.

    O nazi-fascismo, como destaco por Hanna Arendt, extrapola essas simplificações rasteiras. No julgamento de Nuremberg ela esperava originalmente ver pessoas malignas e desumanas entre os julgados, mas surpreendeu-se com homens normais, amados por seus familiares e vizinhos. Então, onde reside o mal que se traduziu nas câmaras de gás e nos campos de concentração (pela primeira vez a matança em escala industrial)?

    Arendt concluiu que o mal estava na estrutura política e na maneira como as pessoas lidam com ordens de autoridades. Aceitam-nas sem questionamento.

    Portanto, não há como abordar o nazismo sem refletir sobre a própria humanidade. Será que somos naturalmente maus e sádicos ou simplesmente subservientes e indiferentes?

    Onde está o “ovo da serpente”, a origem do nazismo?

  • SAREK

    Apesar da maneira superficial como a ficção científica aborda o tema do nazismo, o programa de vocês foi fantástico. Obrigado por nos presentearem sempre com programas de inegável qualidade e cuidado.

    Gostei particularmente das referências à polêmica sobre o marechal Erwin Von Rommel.

    Sempre admirei o personagem histórico ( jamais o nazismo) por sua trágica vida. Foi um brilhante estrategista capaz de blefar audaciosamente (como um Kirk da vida real), era muito próximo dos oficiais que atentaram contra a vida de Hitler e foi pressionado pelo próprio Adolf a suicidar-se para que sua família não fosse morta.

    Claro que descrevendo dessa maneira, parece um personagem excessivamente idealizado, mas sempre admirei a “Raposa do Deserto” por sua capacidade de improvisação, blefe e liderança na guerra no deserto africano.

    Além de enfrentar os aliados, tinha de se virar com a carência de recursos, uma vez que Hittler estava mais interessado na frente russa.

    Rommel sempre me pareceu a prova de que Kirk é um personagem verossimel – apesar dos exageros de roteiristas.

    Sei que dúvidas foram levantadas sobre o lado anti-nazista de Rommel. Todavia, a maneira como morreu me parece um indício forte o bastante para reforçar o estereótipo do herói trágico contra o sistema que deveria defender.

    E olha que nem acredito em heróis…

    Mas que eles existem…

    Existem sim