SEÇÃO 31 INTERCOM #8 – STAR TREK GENERATIONS

S31_INTERCOM_8Celebre conosco o vigésimo aniversário de “Star Trek – Generations (ou reclame incessantemente), num bate-papo divertido com Giu (Bondcast), Naelton, Ricardo, Roberta Manaa e Waldomiro! Dessa vez, temos até a ilustre presença de um astrônomo no podcast pra meter o pau nas incongruências científicas, rapaziada! Lamente a polêmica morte de Kirk (ou comemore), conheça as diferenças entre o filme lançado e sua novelização, tente entender o que afinal é o bizarro Nexus, divirta-se com as perucas de William Shatner e emocione-se sem precisar ativar um desnecessário chip de emoções irritante no processo! Afinal, não é todo dia que vemos Kirk e Picard chutando a bunda do Calígula

Tempo de duração: 140 min


COMENTADO NESSE PODCAST:

A novelização de “Generations“, lançado pela Editora Aleph. Diferenças marcantes entre o livro e o que foi lançado nos cinemas! gen

A história das dublagens da Série Clássica no Brasil

Ouça a sensacional trilha sonora do filme, composta por Dennis MacCarthy

Todas as participações do inconfundível Brian Thompson em Star Trek

A capa do livro “Jornada nas Estrelas – Memórias dos Filmes“, que contém capítulos muito bacanas sobre os bastidores das filmagens de “Generations

Kirk e Picard na capa da revista Time, lançada na época do lançamento de “Star Trek Generations” nos cinemas dos EUA

Cena inútil deletada do filme, em que o aposentado Capitão Kirk faz um skydiving orbital. A cena tem a presença de Walter Koenig (Chekov) e James Doohan (Scotty)

B’Elanna Torres com o traje de skydiving orbital, no episódio “Extreme Risk” (5ª temporada da Voyager). É o mesmo que foi usado pelo Shatner na cena deletada do “Generations

O hilário e criativo blog Shatner’s Toupee. Um blog dedicado exclusivamente a catalogar e analisar TODAS as perucas de William Shatner já registradas!

Picard no final do filme, no que sobrou da ponte da Enterprise D. Ele encontra o Kurlan Naiskos nos escombros, raríssima peça arqueológica que ele ganhou de presente de seu antigo professor e mentor de arqueologia, no episódio “The Chase” (6ª temporada da TNG). Segundos depois, ele a descarta como se não fosse nada! 

Sobre o Cineclube Sci-Fi, realizado no Planetário da Gávea, no Rio de Janeiro. Em janeiro de 2015, eles exibirão episódios de Star Trek lá!


ADICIONE O NOSSO FEED  

E-MAILS: Críticas, sugestões e afins para contato@secao31.com

COMPARTILHE!
  • Pingback: SEÇÃO 31 INTERCOM #19 – Star Trek III |The Search For Spock | SEÇÃO 31 | Star Trek Podcast()

  • Pingback: SEÇÃO 31 INTERCOM #19 – Star Trek III |The Search For Spock | Podflix()

  • Rafael Rabelo

    Muito bom relembrar em como era complicado ter acesso a informações sobre Star Trek, no Brasil, quando o filme foi lançado.

    Até início de 1995 eu não tinha videocassete em casa. Morei no interior de GO até fev/2000. O máximo que sabia de Star Trek era de ter visto o Star Trek III – The Search For Spock e Star Trek IV – The Voyage Home, acredito que no SBT e no finalzinho da década de 80. Lembranças vagas, nasci em 1983. E mais vagas lembranças da muito bem mencionada Sessão Espacial que a Manchete iniciou por volta de 1991. Recordo-me que o piloto da The Next Generation foi exibido num domingo, e dessa exibição tenho apenas vaga lembrança da sequência no holodeck. Lembranças mais vagas da TOS. Battlestar Galactica também fazia parte do pacote, acho que era exibida às segunda-feiras.

    Em 1995 tive conhecimento da existência do filme (Generations) pela Revista Herói, havia divulgação de uma edição especial dedicada ao filme (e que nunca tive). Aluguei inúmeras vezes os VHS do piloto de TNG e dos 2 episódios seguintes, era tudo o que eu tinha de acesso :-( Curiosamente o VHS do Generations foi muito disputado na locadora da cidade, quando lançado. Havia um belo poster do filme estampado na locadora.

    Primeira vez que vi Generations foi em 1996, tinha 13 anos. Finalmente aluguei o outrora tão disputado e então muito esquecido VHS da locadora de minha cidade. Era a única cópia para toda cidade. Gostei muito, senso crítico baixo. Marcou muito. Aluguei, no mínimo, umas 14 vezes! Repito: senso crítico muito baixo. Fiquei impressionado com os efeitos especiais, trilha sonora, visual atualizado da ponte da Enterprise-D, os uniformes na versão da Deep Space Nine.

    Em 1996 finalmente tomo conhecimento de todo o universo da franquia, filmes. Tomo conhecimento em termos de saber os títulos. Mal compreendia o que era Deep Space Nine. Pude acompanhar uma “maratona” dos 4 primeiros filmes na CNT, via parabólica. E por “maratona” entendam que era um filme a cada domingo. Outros tempos.

    Em 1997 pude comprar via 2001 Video (por telefone!!!) o comentado VHS com os episódios The Best of Both Worlds e Q Who. Que alegria em finalmente ver outros episódios da TNG. No mesmo ano consigo acompanhar episódios da TOS na Record, e a tão aguardada (na época) exibição da 3a temporada de TNG (também na Record). Sabia da exibição de TNG no USA, mas nada de opção financeira ou física em ter acesso a um serviço de TV por assinatura.

    Também em 1997 conheci a comentada novelização de Generations, numa loja da Siciliano em Goiânia-GO. Comprei, mas apenas debrucei-me em ler com muita empolgação os relatos de bastidores das filmagens que acompanhavam o livro. Mal imaginava que muitos anos depois poderia comprar o DVD com edição especial acompanhada de muitos extras e uma deliciosa trilha de comentários do Ronald D. Moore e Branon Braga.

    First Contact só em 1997: tive que aguardar a chegada à locadora da minha cidade.

    É muito bacana mesmo ouvir os comentários de vocês sobre como foi ter conhecimento/acesso ao filme na década de 90. Fui muito extenso em meu relato, empolguei-me, e demonstrei que vocês eram muito privilegiados :-) Houve um período em que era um grande desejo poder ver o que afinal era o filme Generations, vendo o poster na locadora, apenas 1 cópia para toda cidade, e sempre ouvindo que já se encontrava alugado.

    • http://secao31.blogspot.com.br/ Waldomiro Vitorino

      Oi Rafael! Muito interessante sua história como fã de Star Trek. Se pra gente aqui em SP já tinha dificuldades pra adquirir os episódios, pra quem morava no interior de Goiás nos anos 90, era ainda mais complicado.

      Essa revista especial da Herói eu tenho! Comprei na época na banca, era quando eu estava começando a me tornar um fã e me marcou muito. Nela falava de Voyager que estava estreiando também, e tinha muitas informações pra gente da Nova Geração naquela época meio pré-internet. Reli muitas vezes aquela revista!
      Por sorte aqui em SP nas video-locadoras apareciam mesmo com uma certa frequência os lançamentos da CIC Video. Lembro que em 98 ou 99 lançaram até o VHS do piloto da VOY, que eu tive também.

      Assim como você, eu também fiquei muitíssimo impressionado com “Generations” pelos mesmos motivos! Eu ficava mesmo encantado com aquele filme, com a tripulação, diálogos e até as cenas de humor do Data, que faz tempo já que acho a maioria delas no filme meio sem-graça! ahah… nada como ser garoto sem muito senso crítico, né?

      Outro VHS que foi lançado pela CIC também (e que aluguei, fiz cópia e assisti trocentas vezes) foi o duplo “The Way of The Warrior” da DS9, quando o Worf entra pra série. Caramba, como eu assisti muito aquilo! Ali aprendi muito sobre os Dominions, fiquei chocado com o fim da aliança com os Klingons, adorei a participação do Gowron, o papel do Worf no episódio… putz! É até difícil de numerar tudo, muita coisa boa ali!

      Aqui pude ver todos os filmes da TNG no cinema, me arrependo de ter assistido “Generations” e “Primeiro Contato” somente uma vez na ocasião, mas foi inesquecível.

      Rafael, mais uma vez muito obrigado por compartilhar conosco parte de sua experiência como fã. Fique sempre à vontade para tecer seus comentários por aqui no site, e acompanhe nosso trabalho por aqui, pois fazemos com muito carinho por Star Trek. Apesar da zueira de sempre! hehe
      Grande abraço!!!

  • xassot

    Quando eu vi o Christopher Lloyd como klingon, eu fiquei com a impressão que eu ia ver o Marty McFly aparecendo na nave klingon

  • Tartaruhga Muhtante

    Eu conheci a série em 91 quando pela primeira vez tive contato com a Manchete. Até então achava que só tinha o filme do Khan , nem tinha visto o do V’Ger ainda. Em Foz do Iguaçú, onde nasci e morei até 1991 só pegava Globo, TVS e Bandeirantes, o resto eram canais argentinos e paraguaios (IIIIrrrc). Curiosamente na mesma época passava a reprise do Buck Rogers e Galactica mas eu só me interessava em ver Jornada.