SEÇÃO 31 Disco #8 – Stamets Pula Sem Parar e Peitinhos Klingons!

S31_Disco_8
Descamuflando geral!

Encerrando a cobertura dos episódios de Star Trek: Discovery até o momento, os audaciosos Ana (Star Trekkers), Fernando Augusto (Star Trekkers), Roberta Manaa e Waldomiro pulam 133 vezes nesse episódio empolgante e cheio de surpresas e mistérios!

O que aconteceu com Stamets ao final do episódio? Onde a USS Discovery foi parar? E o talvez o mais intrigante: quais são as reais intenções do Lorca?

Bem, continuamos no próximo SEÇÃO 31 Disco, e…

Qapla’!

ATENÇÃO: As bobinas de Dobra desse podcast estão entupidas de SPOILERS!!!

Tempo de duração: saltitantes 86 min

Discutido nesse podcast:

S31_Bannner_Canecas_site

S31_Bannner_Camisetas_site


ADICIONE O NOSSO FEED

E-MAILS: Críticas, sugestões e afins para contato@secao31.com


COMPARTILHE!
  • Olavo Lima
  • Olavo Lima

    No final tentaram fazer todo mundo mais heroico e menos fdp e realizaram mandar a nave para pqp
    Nota final até agora da temporada – episódios 1 a 9 – 6,5

    Discovery tentou compensar todas as cagadas do inicio dos episódios com modificações visíveis nas personalidades e tramas da serie, isso inclui a ultima modificação jogar a nave em outro universo (seria esse o universo de jornada nas estrelas original, criando uma explicação do porque discovery diverge tanto da mitologia de jornada nas estrelas?), especulações a porte foi bom ver que a produção foi notando seus erros e está tentando conserta-los, estou na torcida para o resto da temporada que vai sair em janeiro, pois espero que a serie melhore, a serie tem potencial com seu orçamento gigantesco e efeitos especiais, sem falar que um bom elenco, mas que infelizmente está tendo péssimos roteiros o que faz os personagens estarem vazios.

    • Vedek Pedro

      Concordo com quase tudo, mas será que as mudanças foram propositais? A temporada não está toda gravada há meses? Tá parecendo mais que cada episódio foi dirigido por uma pessoa diferente, por isso cada tripulante adota uma personalidade diferente em cada episódio.

      • http://secao31.blogspot.com.br/ Waldomiro Vitorino

        Tenho essa mesma impressão, de inconsistência interna. Tipo uma colcha de retalhos. A Tilly acho que é a que mais representa isso, personalidade que parece mudar (ou alternar) entre episódios.

      • http://waldirmarinho.blogspot.com/ waldirmarinho@hotmail.com

        Exato

  • Tartaruhga Muhtante

    Gostaria de poder rezar….mas como não posso devo apenas desejar , com todas as minhas forças que vocês tenham razão e que as teorias que mencionaram no podcast estejam todas corretas e , principalmente, que essa zorra se explique como sendo um universo paralelo.

  • Leandro Henrique Pereira Neto

    Só um comentário sobre o cadete Decker, ao contrário do que comentaram no poscast ele teria virado capitão mais de 15 anos depois. Pois o filme ST I está mais de 15 anos depois de DIS.

    No começo de TOS o Kirk é capitão (10 anos de DIS), tem a missão de 5 anos, depois que termina a missão o Kirk vira Almirante e o Decker capitão da nova Enterprise.

    O filme ST I deve passar pelo menos 1 ano depois do Kirk virar almirante, assim o Decker teve bastante tempo para vira capitão.

    • http://secao31.blogspot.com.br/ Waldomiro Vitorino

      Mais ou menos isso mesmo, TMP são 2 anos e meio depois de Kirk ter virado almirante, pelo que consta.

  • Vedek Pedro

    Se tudo até então tiver se passado num universo paralelo e o cânon for “salvo”, ainda assim a série é muito fraca.

  • Renata

    Os minissaltos sem navegador que a Discovery dava antes de usar o tardígrado eram descoordenados. Quando eles estão indo para a estação mineradora (colônia, lua, sei lá), que está sendo atacada pelos Klingons, eles vão parar num estrela e quase são sugados pela gravidade. Dali eles partem em dobra para o destino.
    Quanto à cena de sexo, a mim não incomodou em nada, e eu até achei ótimo ela ser mais explícita que é pra ser incômoda mesmo, afinal de contas aquilo ali é um pesadelo e eu acho que a ideia era mostrar literalmente para o público o inferno que o Ash passava a cada noite. Eu só lamentável que a cena não tenha sido mais sinistra, acabou sendo limpa demais. Mas eu adorei a forma dúbia como ela mostra a lembrança do Ash. Aliás esse episódio é brilhantemente escrito e dirigido. Parabéns aos envolvidos.

    Bom, agora é esperar até Janeiro.